BioMix

quarta-feira, março 22, 2006

Melhoria do valor nutricional dos alimentos

Praticamente todos os alimentos que "sabem bem", fazem mal... A manipulação genética poderia alterar isso, criando uma bolacha que não engordasse ou um chocolate que não fizesse borbulhas! Isto não é ficção científica e parece realmente haver a tecnologia necessária para o conseguir. Um exemplo é o óleo Olestra que não é digerido pelos humanos, podendo substituir os óleos alimentares.
Alimentos com melhor tempo de conservação e inocuidade

Alimentos que se deteriorem mais lentamente e com melhor resistência a bactérias poderão ter custos inferiores e ser transportados por distâncias maiores, aumentando a distância entre produtor e consumidor, reduzindo a fome em países necessitados.
Os aspectos positivos dos alimentos transgénicos são:

· O aumento na produção de alimentos;

· A alteração do valor nutricional dos alimentos;

· O desenvolvimento de espécies com características desejáveis;

· A maior resistência dos alimentos ao armazenamento por períodos maiores.

terça-feira, março 21, 2006


Será que se poderá cruzar todo o tipo de espécies?

Não é bem assim. O que se faz não é um cruzamento entre espécies, mas sim um cruzamento de algumas propriedades muito específicas.
Qualquer organismo (animal ou vegetal) é constituído por células. Cada célula tem, dentro do núcleo, um conjunto de cromossomas. Os cromossomas são estruturas de ADN que contêm toda a informação sobre o organismo a que pertencem. Os genes, constituintes do ADN, representam cada um uma propriedade específica.
Para retirar genes de uma cadeia de ADN costumam-se usar "tesouras" biomecânicas, que são enzimas capazes de cortar e seleccionar genes - as enzimas de restrição. Esses genes são então colocados em plasmídeos (pedaços circulares de ADN) presentes em bactérias. Estas reproduzem-se rapidamente, reproduzindo milhares de cópias do gene em causa. De seguida as células do organismo a modificar são "bombardeadas" com este novo gene. Uma pequena percentagem destes atinge o núcleo das células, introduzindo-se no ADN.

As modificações no mundo actual

Enquanto a União Europeia suspendeu os testes de manipulação genética, outros países prosseguem os ensaios com organismos geneticamente modificados. Objecto de debate, a engenharia genética está a modificar os alimentos que ingerimos e o mundo em que vivemos.

Este é um excerto da reportagem que pode encontrar na edição impressa da NGM – Portugal. No admirável mundo novo da engenharia genética, Dean DellaPenna imagina um quadro de abundância com tomates e brócolos melhorados bioquimicamente para combater o cancro; arroz, batata-doce e mandioca enriquecidos com vitaminas para ajudar a alimentar os mais desfavorecidos; trigo, soja e amendoins sem alergénios; bananas usadas para administrar vacinas; óleos vegetais com um teor tão elevado de ingredientes terapêuticos que os médicos os "receitam" aos doentes ameaçados de cancro ou doenças cardíacas. DellaPenna, especialista em bioquímica vegetal da Universidade do Estado de Michigan, acredita que os alimentos geneticamente modificados são o factor decisivo da próxima vaga de progresso da agricultura e da saúde. Mas se DellaPenna e muitas pessoas apreciam o potencial dos produtos desta nova biotecnologia, há quem veja neles incertezas e perigo. Os opositores temem que sejam lançados no mercado produtos geneticamente modificados antes de se conhecerem totalmente os seus efeitos. A inquietação tem sido alimentada por relatórios sobre tortilhas para tacos contaminadas com milho geneticamente modificado não aprovado para consumo humano, sobre o possível alastramento de "ervas superdaninhas" nocivas, resultantes do fluxo genético a partir de culturas geneticamente manipuladas e sobre os possíveis efeitos prejudiciais causados pelo pólen do milho BT às borboletas-monarca.

quinta-feira, março 16, 2006

Plantas Trangénicas

Desde há milhares de anos que as plantas são manipuladas geneticamente pelos seres humanos. As plantas são organismos especialmente adequados para o melhoramento genético de vida a uma série de propriedades:
1- Elas possuem um ciclo de vida curto, o que permite a selecção rápida de novas características;
2- As plantas podem ser autofecundadas o que permite a fixação de uma nova característica introduzida;
3- As plantas produzem uma progénie muito numerosa, o que permite o aparecimento de mutações raras, aumentando a diversidade sobre a qual a selecção pode actuar.
Se por um lado estas propriedades permitiram uma evolução espectacular das variedades cultivadas por técnicas de melhoramento clássico (cruzamentos), por outro lado elas fazem também com que as plantas sejam organismos especialmente convenientes para o melhoramento através das técnicas de engenharia genética. A aplicação da tecnologia do DNA recombinante às plantas é ainda particularmente facilitada pelo facto de as células vegetais isoladas manterem a propriedade da totipotência, ou seja, manterem a capacidade de regenerar um organismo completo. Isto significa que a manipulaçõa genética de células ou tecidos em cultura pode, com alguma facilidade, dar origem a plantas adultas contendo o novo gene em todas as suas células, ou seja, dar origem a organismos trangénicos.
A obtenção de plantas transformadas, possuindo em todas as suas células um gene introduzido de novo no seu genoma, está dependente da possibilidade da realização de duas metodologias:
1- Inserção do trangene com sucesso num genoma de uma célula vegetal;
2- Regeneração de um aplanta completa apartir das células transformadas.

terça-feira, março 14, 2006

Alergias - um mal nunca vem só!

As alergias são reacções do organismo apartir do momento que entra em contacto com corpos estranhos - antigénicos - como pólenes de plantas, ácaros ou alguns alimentos. A partir do momento em que estas substâncias são identificadas como estranhas pelo sistema imunitário, entram em campo os anticorpos para eliminar os invasores. É aqui que surgem reacções como inflamações, espirros, nariz a pingar, tosse ou comichão, que podem agravar-se com o fim do Inverno. As alergias são respostas do sistema imunitário a corpos estranhos como pólenes e ácaros.
Apesar da genética ter a sua influência no aparecimento das alergias, estas são doenças complexas. "Não é só um sítio do genoma que está alterado e que provoca as queixas. Há várias situações que contribuem para este tipo de quase epidemia que existe hoje em dia." diz o presidente da SPAIC. E acrescenta que "Uma das razões que justificam o aumento das alergias está relacionada com a diminuição de algumas infecções que as populações tinham habitualmente - como vírus, bactérias e parasitas. Isto faz com que, hoje em dia, as esperança de vida seja muito maior, quase obrigando o sistema imunitário a dedicar-se a outras coisas no ambiente, como pólenes, fungos ou ácaros."

segunda-feira, março 13, 2006

Cure-se de Falsos Preconceitos

-Sente-se doente?
Pensa que os antibióticos o podem ajudar a sentir-se melhor? Talvez sim- ou talvez não. Os micróbios existem em muitas formas, em geral como bactérias ou vírus. Os antibióticos conseguem eliminar as bactérias, mas não têm efeitos nos vírus. A maioria das constipações e gripes são causadas por vírus. Nesses casos, os antibióticos não o podem ajudar.

-O que são antobióticos?
Os antibióticos estão entre os medicamentos mais importantes e poderosos que dispomos. são utilizados para tratar infecções causadas por bactérias - desde a temida meningite, a problemas comuns como o acne e os "pontos brancos na garganta". Mas porque estes medicamentos nem sempre são utilizados correctamente, algumas bactérias estão a tornar-se resistentes aos antibióticos. Se o uso incorrecto continuar, os antibióticos podem deixar de funcionar no combate às bactérias - e isso é um problema sério para todos nós.

-Como é que as bactérias se tornam resistentes?
As bactérias são "espertas" e estão programadas para sobreviver. Estão constantemente evoluir e adaptar-se ao ambiente. Quando os antibióticos não são utilizados correctamente - por exemplo, quando são utilizados em doenças causadas por vírus ou quando não se cumpre com rigor o horário das tomas ou a duração do tratamento - algumas bactérias podem morrer, mas as bactérias mais resistentes sobrevivem e multiplicam-se.

Ao utilizar bem os antibióticos está a garantir que estes importantes medicamentos continuarão a ser eficazes da próxima vez que realmente precisar deles.